Mundo

Armadores europeus pedem militares para travar pirataria

A frota europeia de pesca em alto mar pediu ao alto representante da União Europeia para a Política Externa, Josep Borrell, o destacamento urgente de militares no golfo da Guiné para travar a pirataria na região.

18/01/2022  Última atualização 20H35
© Fotografia por: DR
Segundo noticia hoje a agência Efe, o apelo partiu da confederação Europêche, que reúne 15 associações de empresas pesqueiras de oito países europeus, e que alerta Borrell para a ameaça da pirataria para a segurança dos navios que pescam nas águas de São Tomé e Príncipe, Guiné Equatorial e Gabão. As empresas recordam o dever da UE de manter o "Estado de Direito em águas estrangeiras e proteger os seus interesses marítimos estratégicos".

Citada pela Efe, a associação espanhola Opagac, que representa nove armadores de pesca de atum, diz que nos últimos meses se registaram duas tentativas falhadas de sequestro de navios pesqueiros comunitários. Acrescenta que em 2021 se contabilizaram 11 sequestros a bordo de navios estrangeiros nas águas da África ocidental, que resultaram em 82 tripulantes retidos e uma vítima mortal.

No seu apelo a Borrell, a frota europeia reconhece os esforços comunitários realizados nos últimos anos para prevenir a pirataria no Golfo da Guiné, mas apela à UE para que "adote medidas imediatas para garantir a segurança da cadeia de abastecimento em geral e das tripulações e mercadorias transportadas" Para isso, exige o destacamento de forças militares que "permitam aumentar a capacidade de resposta perante eventuais incidentes, com a cooperação da Agência Europeia de Defesa, do Serviço Europeu de Ação Externa, da Agência Europeia de Controlo da Pesca e dos Estados-membros, em coordenação com os Estados costeiros".

Os armadores pedem ainda que a UE estabeleça "diálogos bilaterais e multilaterais" com os países costeiros para fortalecer a cooperação em matéria de defesa, a partilha de informações e operações navais conjuntas. Um total de 132 incidentes de pirataria marítima foram registados no mundo no ano passado, o número mais baixo desde a década de 90, anunciou na semana passada o Departamento Marítimo Internacional (IMB, na sigla em inglês). Para esta descida, explicou então a organização, contribuiu a queda de ataques no Golfo da Guiné, que desceu de 81 em 2020 para 24 em 2021.

Segundo dados hoje divulgados pela Direção-Geral de Recursos Naturais Segurança e Serviços Marítimos (DGRM), entre os 132 incidentes contabilizados, não há qualquer caso em navios de bandeira portuguesa. As águas do Golfo da Guiné, que se estendem por milhares de quilómetros desde Angola até ao sul do Senegal, continuam a ser as mais perigosas do mundo devido à pirataria, aponta a DGRM.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo