Mundo

Argélia celebra Independência com reaproximação à França

A Argélia celebrou, esta segunda-feira, o 60º aniversário da Independência de França, depois de 132 anos de colonização francesa, com o primeiro desfile militar em 33 anos.

06/07/2022  Última atualização 07H55
Festa dos 60 anos de independência foi celebrada com júbilo © Fotografia por: Dr

Desde sexta-feira à noite, as autoridades encerraram 16 quilómetros de estrada, onde o Exército realizou os ensaios nos últimos dias para o desfile militar, o primeiro em 33 anos, de acordo com a AFP.

Vários convidados, incluindo os Presidentes palestiniano, tunisino e nigeriano participaram neste desfile militar, que foi supervisionado pelo Chefe de Estado argelino, Abdelmadjid Tebboune. Em 5 de Julho de 1962, a Argélia declarou a independência, após 132 anos de colonização francesa e uma sangrenta guerra que durou quase oito anos.

Sessenta anos depois, as feridas ainda estão vivas em ambos os lados, apesar dos gestos simbólicos ao longo dos anos por parte de França. Em Setembro de 2018, um ano após ser eleito, Emmanuel Macron reconheceu que o jovem matemático comunista Maurice Audin morreu sob tortura pelo Exército francês, em 1957, e pediu perdão à viúva.

Na segunda-feira, o Presidente francês pediu o "fortalecimento dos laços já fortes” entre a França e a Argélia numa carta ao homólogo, Abdelmadjid Tebboune.

A nova chefe da diplomacia francesa, Catherine Colonna, conversou ontem com o homólogo argelino, Ramtane Lamamra, após meses de relações tensas entre os dois países. Na conversa, Colonna e Lamamra, segundo a AFP, "afirmaram o desejo de continuar a dinâmica positiva na relação bilateral entre os dois países”, informou o Governo francês num comunicado divulgado na noite de segunda-feira.

"O primeiro intercâmbio frutífero com a minha colega Colonna sobre as perspectivas de uma parceria equilibrada e mutuamente benéfica entre os nossos dois países e um diálogo aprimorado ao serviço da estabilidade e prosperidade a níveis regional e internacional”, comentou Lamamra, na rede social Twitter.

A França e a Argélia tentam dar um novo impulso às relações após uma grave crise diplomática, que se prolongou por vários meses. Argel chamou de volta o seu embaixador em Paris, em Outubro, em reacção às declarações do Presidente francês, Emmanuel Macron, que tinha dito que a Argélia - após a independência, em 1962, que pôs fim a 132 anos de colonização francesa - tinha sido construída sobre "uma renda memorial”, mantida pelo "sistema político-militar”.

O embaixador regressou a França, a 6 de Janeiro, quando os dois países começaram a procurar restabelecer as normais relações diplomáticas.

Neste encontro, os dois chefes de diplomacia também "discutiram os mais recentes desenvolvimentos nas relações argelino-espanholas”, informou o Governo francês, que sublinhou o "profundo apego às boas relações entre os parceiros europeus e os vizinhos da margem Sul do Mar Mediterrâneo”.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo