Sociedade

Aplicadores de “jardas” vão ser levados à Justiça

O Ministério da Juventude e Desportos vai criar mecanismos que viabilizem a identificação dos mentores e executores do uso e aplicação da conhecida "jarda" e de anabolizantes, no sentido de serem responsabilizados civil e criminalmente.

17/07/2021  Última atualização 05H00
Ministra Ana Paula do Sacramento Neto quer envolvimento das famílias no combate à “jarda” © Fotografia por: kindala Manuel | Edições Novembro
O alerta foi feito ontem, em Luanda, pela ministra da Juventude e Desportos, Ana Paula do Sacramento Neto, ao considerar serem devastadores os efeitos que tais substâncias têm estado a causar na vida da juventude, em particular, às mulheres.
Durante o acto de abertura da Campanha de Combate ao Uso da Jarda e Anabolizantes, designada "Pela Saúde e Pela Vida Diga Não à Jarda”, a ministra avançou que vai ser realizado um trabalho, em parceria com o Ministério do Interior, famílias, escolas e outros intervenientes sociais.

Com esse grupo, Ana Paula do Sacramento Neto acredita que as autoridades vão chegar mais facilmente na identificação dos referidos indivíduos e intervir na cadeia completa destes produtos, desde a importação, comercialização e administração aos jovens usuários.

A ministra salientou que o uso das "jardas” e anabolizantes, além de causar graves problemas de saúde, constitui um peso económico e social para as famílias e ao país, por atingir, principalmente, jovens em idade produtiva. "O uso dessas substâncias comprometem o contributo dos jovens ao desenvolvimento do país e, também, a sua capacidade de procriação”, realçou a governante.

A ministra realçou que o país precisa de jovens saudáveis e comprometidos com o futuro. Por isso, apelou às famílias e comunidade em geral para darem maior atenção aos jovens, fortalecendo-os com valores que garantam uma convivência saudável e livre de qualquer risco.


Vida mais assertiva

A campanha visa despertar a sociedade e os jovens, em particular, sobre os riscos da aplicação da "jarda” e do uso de anabolizantes, bem como mobilizar apoios e inspirá-los a actuarem de forma integrada na construção de uma conduta salutar.
A ideia da campanha, que tem como rosto principal a cantora Patrícia Pires, tem, ainda, como objectivo despistar os jovens do alto risco e da ameaça que a prática acarreta para a saúde, vida e estabilidade do desenvolvimento socioeconómico do país.
Com a campanha, o Ministério da Juventude e Desportos pretende, igualmente, encaminhar os jovens para uma vida mais assertiva e que não ponham em risco o seu futuro.

 
Experiência de Patrícia Pires

É o que pensa a cantora Patrícia Pires, que, durante quatro anos, usou "jarda" nas nádegas. Ela desaconselhou as demais jovens a usarem tais substâncias, por serem nocivas à saúde, até porque a sua aplicação e manutenção é bastante onerosa.
"Há ainda custos maiores com a remoção”, disse Patrícia Pires que, quando teve complicações com a "jarda”, só em Angola foi submetida a 25 cirurgias. "Mesmo assim, a situação piorava e tive de vender a casa e o carro para ir ao Brasil para tratar a infecção crónica, que quase me levava à amputação das pernas”.

No Brasil, a jovem cantora sofreu mais seis cirurgias, perfazendo 31 intervenções. Mas, ainda este ano, estão previstas mais duas operações, que devem tentar eliminar as graves lesões que tem nas nádegas.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Sociedade