Sociedade

Animais domésticos no Zaire vão ser vacinados em breve

Jaquelino Figueiredo | Mbanza Kongo

Jornalista

Uma campanha de vacinação anti-rábica, que vai abranger cães, gatos e macacos, vai ser realizada, nos próximos dias, na província do Zaire, no quadro da luta contra a raiva, anunciou, ontem, em Mbanza-Kongo, o director do Gabinete local da Agricultura.

30/09/2022  Última atualização 06H10
Cidade de Mbanza-Kongo continua sem canil para acolher cães vadios © Fotografia por: Garcia Mayatoko | Edições Novembro | Mbanza Kongo

Gouveia Pedro da Silva avançou que a província tem disponível mais de seis mil doses de vacinas anti-rábica, salientando que o arranque da campanha aguarda apenas por certas condições de carácter financeiro.

Neste momento, a província tem três postos fixos de vacinação contra a raiva, instalados na cidade de Mbanza Kongo, no Soyo e no município do Kuimba.

Quanto aos municípios do Nzeto, Tomboco e Nóqui, Gouveia Pedro da Silva assegurou que as condições estão a ser criadas, para a instalação de postos fixos, no sentido de atender eventuais casos de animais por vacinar.

Quanto aos animais de grande porte, com destaque para o gado bovino, Gouveia Pedro da Silva o responsável assegurou que estes têm tido a assistência necessária. "Sempre que há solicitação de fazendeiros, a nossa direcção faz deslocar os técnicos veterinários às respectivas fazendas para a vacinação”.

 

Poucos casos de raiva

O supervisor provincial para a Promoção da Saúde, no Zaire, Andrade Kianzuaku, avançou que a região não teve grandes registos de casos de raiva em humanos, com excepção de um que ocorreu no ano em curso, no município do Tomboco.

Este caso terminou em óbito, pelo facto dos pais do menor de um ano mordido terem negligenciado as recomendações que se impõem em caso de uma mordedura.

O supervisor salientou que a prevenção de eventuais casos de contaminação da doença em humanos passa pela vacinação dos animais de estimação, uma vez que a raiva não tem cura.

Destacou que, em caso de mordedura, antes de se dirigir a uma unidade sanitária, a ferida da vítima deve ser lavada com água corrente e sabão, no sentido de evitar o contágio da raiva, caso o animal esteja doente.

A província tinha um único canil, que existia no bairro 11 de Novembro, em Mbanza Kongo, situação que impede a recolha de cães vadios para possível vacinação ou um outro tratamento que o veterinário pudesse orientar.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Sociedade