Economia

Angola já cumpriu cerca de 60 por cento dos ODS

Alexa Sonhi

Jornalista

Cerca de 60 por cento dos Objectivos do Desenvolvimento Sustentável do país (ODS) já foram cumpridos, garantiu o ministro da Economia e Planeamento.

12/05/2022  Última atualização 11H25
Seminário sobre Pensamento Sistémico para acelerar os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável © Fotografia por: DR

Mário Augusto João falava  à margem do Seminário sobre Pensamento Sistémico para Acelerar os  ODS, em Luanda,  no quadro de uma parceria entre o Ministério da Economia e Planeamento  e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).  

O titular da pasta da Economia e Planeamento disse que um dos ODS que ainda está atrasado tem a ver com as transferências sociais, apesar de existir já um bom programa que visa a aceleração  do processo, que é o Kwenda. 

Mário Augusto João explicou que se pretende que as famílias que recebem as transferências sociais monetárias  no âmbito do Kwenda possam desenvolver  alguma actividade económica  para sair do ciclo da pobreza”, frisou. 

"Daí o alargamento do prazo do Kwenda até 2025, para permitir que as pessoas beneficiadas criem fontes de rendimentos”, disse, sublinhando que o Kwenda é apenas uma primeira etapa das reformas do sector social, visando  dar dignidade a cada cidadão angolano.

O  ministro da Economia e Planeamento frisou que para se atingir na plenitude os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável é necessário reflectir ao máximo nos passos que devem ser dados para se acelerar o Plano de Desenvolvimento Nacional e incorporar os ODS nessa plataforma. 

 Mário Augusto João anunciou que  vão existir ainda dois planos de Desenvolvimento Nacional, nomeadamente sobre a Erradicação da Pobreza e a Melhoria da Educação. "Estes planos vão nos ajudar, rapidamente, a acelerar o cumprimento dos Objectivos do Desenvolvimento Sustentável traçados no país, onde a erradicação da pobreza merece muita atenção”, acentuou. 

Para tal, prosseguiu, devem ser desenvolvidas  acções que proporcionem  trabalhos condignos e mais investimentos públicos, para permitir que cada cidadão possa ter acesso à educação  e à saúde da melhor forma possível. 

" Todos estes processos têm de ser realizados em forma de cascatas para poder influenciar outras metas, como a produção nacional que vai propiciar o crescimento económico, tendo como fim último a erradicação da pobreza”.+ 

O representante residente  do PNUD em Angola, Edo Stork, disse que a agência está a trabalhar  em colaboração com o governo angolano  e outros parceiros para se pensar num sistema  interligado de fazer funcionar os projectos em carteira visando o cumprimento dos Objectivos do Desenvolvimento Sustentável do país. 

Edo Stork explicou que, actualmente,  o PNUD está a investir  ainda na área de treinamento  com os Ministérios  da Economia, Finanças e o Instituto Nacional de Estatística, para mapear o modelo de Angola no que toca ao Desenvolvimento Sustentável  em termos de saúde, ambiente e economia. 

 Se tudo isso estiver interligado, vamos criar um bom plano de desenvolvimento para Angola, mas que estejam conectado aos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável que vai ter um impacto no crescimento do país.  

O representante residente do PNUD em Angola disse que, segundo uma análise de sistema, o investimento que se pretende fazer vai melhorar a saúde, educação,  ambiente, emprego e a vida social das pessoas.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia