Economia

Angola importa do Brasil 9,7 mil toneladas de carne bovina

Massoxi Paxe

Os níveis de importação de carne bovina do Brasil para Angola atingiram 9.700 toneladas, em 2023, contra as 7.230 observadas em 2022, disse, em Luanda, o adido agrícola da embaixada do Brasil, José Guilherme.

15/06/2024  Última atualização 12H05
Adido Agrícola do Brasil, José Guilherme © Fotografia por: DR

O diplomata que falava ao Jornal de Angola por ocasião do encontro que decorreu sobre o lema "Tecnologia e Gestão para a Produção Pecuária", entre empresas dos dois países, disse que as transacções do produto equivalem 30 milhões de dólares, em 2023, e 24,6 milhões (2022).

Com vista a desenvolver o sector, adiantou, existem programas de cooperação técnica envolvendo instituições de Estado, cuja coordenação está a cargo do Ministério da Agricultura e Florestas (MINAGRIF).

José Guilherme explicou que durante a missão em Angola se identificou oportunidades de cooperação entre o sector privado, onde a Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ) e a Associação Agropecuária de Angola (AAPA) deverão estabelecer cooperação no domínio das tecnologias e melhoria da genética do gado bovino.

Angola, disse, pode tornar-se auto-suficiente em ração animal incentivando a produção de grãos, designadamente o milho e a soja, particularmente, bem como colocar à disposição das empresas rurais crédito para a plantação destes produtos, continuar a investir na capacitação dos técnicos, agricultores e reactivar as fábricas de ração.

Em visitas realizadas por agentes económicos brasileiros do ramo às empresas locais, verificou-se a existência de produção de gado de boa qualidade, acção que possibilitou observar o grande potencial de crescimento, mas ainda assim, o país precisa de mais pecuaristas e aumentar o seu rebanho bovino para tornar mais competitivo.

Aumentar a produtividade

O presidente do Conselho de Administração (PCA) da Cooperativa Agropecuária e Pesca do Lombo (CAPPLO), Carlos Paiva, na comuna da Barra do Cuanza, município de Belas (Luanda), tem criado condições para a execução de novas tecnologias com vista a melhorar e aumentar a produtividade.

O PCA referiu que a falta de acesso ao crédito e as elevadas taxas de juros nos sectores da Agricultura e Pescas têm dificultado a aquisição de equipamentos tecnológicos que permitem acompanhar a evolução no sector.

Apesar dos esforços, a organização de pequenos produtores vai continuar a produzir de forma a ajudar a diminuir os níveis de importação de carne observados actualmente no país.

Carlos Paiva fez saber que a cooperativa possui um conjunto de cinco mil cabeças de gado caprino, três mil carneiros, um rebanho de corte de diferentes raças zebuínas e uma capacidade de produção de 100 litros de leite por dia à volta de 1.500 animais.

Como meta, disse, pretende-se no espaço de dois anos triplicar o número de efectivos de animais, tanto suínos, caprinos, bovinos e ovinos.

O pecuarista considera ainda que para responder à procura do produto no mercado nacional e reduzir significativamente a importação de proteína animal, o país carece de 1 milhão de pequenos produtores e mais de 300 fazendas agro-industriais.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia