Economia

Angola e RDC prolongam reunião até altas horas

Até ao fecho desta edição, na noite de ontem, não tinha sido divulgado o comunicado final da reunião iniciada, na quinta-feira, entre o ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás e o seu homólogo da República Democrática do Congo (RDC), para dinamizar o projecto de exploração petrolífera conjunta.

25/09/2021  Última atualização 08H25
Representante dos Governos de Angola e da RDC na reunião que discute a Zona de Interesse Comum © Fotografia por: Contreiras Pipa | Edições Novembro
Na abertura do encontro, Diamantino Azevedo declarou que "a Zona de Interesse Comum de exploração petrolífera dos dois países é um projecto que vem de há alguns anos”, mas sem "o dinamismo que se esperava” para "passar à implementação dos projectos”.

O ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás considerou que uma das acções necessárias para impulsionar a implementação da ZIC é actualizar o cronograma de acções, para dar seguimento ao trabalho.

O governante frisou que a par da análise do dossier da Zona de Interesse Comum (ZIC) no domínio dos hidrocarbonetos, está a decorrer um trabalho, realizado por equipas que integram representantes da petrolífera angolana Sonangol e a empresa nacional de combustíveis da RDC, sobre a comercialização de derivados de petróleo entre os dois países.

O ministro dos Hidrocarbonetos da RDC, Didier Ntubuanga, considerou a experiência que Angola tem na área de hidrocarbonetos, como um factor que pode potenciar as acções conjuntas na ZIC, manifestando expectativas da obtenção de bons resultados na reunião.

No ano passado, Angola e a RDC criaram um comité técnico conjunto para a zona comum de exploração petrolífera, decisão saída no final de um encontro realizado entre as partes em Luanda.O entendimento sobre a exploração petrolífera comum das águas da bacia inferior do Congo foi assinado em Junho de 2003, entre os Governos de Angola e da RDC, que serviu para a criação de um corredor marítimo comum de exploração petrolífera.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia