Cultura

“Angola Chama-te” foi destaque no dia da Independência no Huambo

Estácio Camassete | Huambo

Jornalista

A exibição da mini-série televisiva “Angola Chama-te”, da autoria do realizador Tomás Ferreira, emitida pela Televisão Pública de Angola, foi destaque, sexta-feira, nas comemorações do dia da Dipanda, na província do Huambo, por se tratar de um episódio que incentiva o espírito patriótico aos mais jovens e exalta, igualmente, os símbolos nacionais.

14/11/2022  Última atualização 14H01
Exibição da mini-série televisiva © Fotografia por: DR
A mini-série de produção nacional, comporta dez capítulos, apesar de ser lançada em 2009, Tomás Ferreira considera ser uma obra importante e actual por exaltar os efeitos progressivos  do  país, uma forma de perpetuar os ensinamentos dos heróis que estiveram na base da luta contra o colonialismo, para que o povo angolano estivesse livre das mãos do colonialista.

‘"O Angola Chama-te’, foi lançado numa época em que o país precisava do esforço de todos os seus filhos, havia um sentimento de que estávamos a perder o amor à pátria e havia apelo que os irmãos na diáspora, regressassem ao país, para contribuir com o seu conhecimento para o desenvolvimento de Angola”.

Cada um dos dez capítulos, destaca o esforço de persuadir as pessoas a trabalharem e ser útil em muitos aspectos que pudessem catapultar a nação para o desenvolvimento, principalmente com maior prática da agricultura, apostar mais na saúde, educação, família, pressupostos que serviam de chamariz para os angolanos participarem na reconstrução nacional, disse.

"O filme é uma reflexão profunda de todos os sentimentos de valores que um cidadão deve ter em prol do seu país, que na altura esteve em pleno processo de reconstrução nacional”.

Tomás Ferreira disse que ainda hoje, 47 anos depois, a série encarna a conquista da Independência Nacional, e conta a história da bandeira nacional, tem um conteúdo didáctico, é um instrumento de conscientização da nova geração saber o que realmente terá acontecido no momento de combater contra o colonialismo.

O director do Gabinete Provincial da Cultura, Jeremias Piedade Tchissanga, destacou a importância que a obra "Angola Chama-te” teve na transformação das mentes da juventude, porque continua a ajudar a preservar os bens conquistados pela Independência Nacional e passar uma ideia do que foi com a entrega dos heróis que se conseguiu arrancar o poder nas mãos do colono.

A exibição do filme enquadrou-se nas festividades do 11 de Novembro, porque consegue ilustrar uma realidade de sacrifícios vividos na altura, pelos angolanos na conquista pela Independência Nacional. 

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Cultura