Economia

Angola atinge auto-suficiência na produção da mandioca

António Eugénio

Jornalista

A produção de raízes e tubérculos, durante a campanha agrícola 2020/2021 em Angola, atingiu uma cifra de 12 milhões 141 mil toneladas de tubérculos.

03/08/2022  Última atualização 07H50
© Fotografia por: Dr

Segundo dados avançados pelas autoridades angolanas, os níveis verificados na produção e colheita da mandioca, foram calculados em 8 milhões de toneladas por ano.

Este indicador  permitiu  que Angola fosse autónoma na mandioca e colocou o país na condição de um dos maiores  produtores de países do mundo  da mandioca com mais de 8 milhões de toneladas por ano.

A mandioca é  muito consumida na zona norte de Angola e onde mais se produz. Depois de transformado em farinha de bombo, constitui  um dos principais alimentos consumidos na zona norte de Angola.

A lista que o Jornal teve acesso, destaca também a produção de ovos com chegou na ordem de  mil 785 milhões 546 mil unidades por ano, enquanto os legumes chegaram a um milhão 895 toneladas e as frutas nas cinco milhões 768 mil 877 toneladas.

Quanto aos cereais, os dados apontam para uma safra de três milhões 065 mil toneladas.

No mesmo período, de acordo com  documento, que vimos citando, a produção do açúcar  ficou em 939 mil 088 toneladas/por ano, arroz 10.514, aves 13 milhões 509 mil bicos e o carvão com uma produção média de dois mil 145 quilogramas por cada província, anualmente.

A produção de citrinos chegou na ordem de 445 mil 300 toneladas/ano, mel 66,6 mil litros produtores e a madeira foi de  31 mil 721 metros cúbicos, peixe com 300 mil toneladas, café  5.300 toneladas de café e o sal foi de 182 mil toneladas.

Desta forma, Angola situou-se como primeiro produtor da banana em África e  7 no mundo com 14 milhões 928 mil toneladas/ano, quinto produtor da batata-doce no mundo com 1 milhão 728 mil toneladas/ano e quinto maior produtor de citrinos com mais 425 mil toneladas.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia