Política

Angola anuncia parceria com African Parks para gestão de parques naturais

Angola iniciou negociações com a empresa americana “African Parks” para uma parceria público-privada, co-gestão e desenvolvimento dos parques naturais do Luengue-Luiana e Mavinga.

21/09/2021  Última atualização 10H25
Presidente da República, João Lourenço, em Washington © Fotografia por: DR

O anúncio foi feito esta segunda-feira (20), em Washington, Estados Unidos da América, pelo Presidente da República, João Lourenço, que discursava na Gala Anual da Fundação Internacional para a Conservação do Ambiente (ICCF).

"Esses parques, localizados na região transfronteiriça protegida do Okovango Zambeze, são a última fronteira selvagem no sul de África", sublinhou o Presidente da República.

Durante o evento, João Lourenço foi distinguido com um prémio da ICCF pelas suas iniciativas a favor da conservação do ambiente.

O Chefe de Estado referiu que o governo angolano e várias agências internacionais como a USAID, o Fundo Global para o Ambiente e a "Conservation International” trabalham no sentido de garantir o apoio técnico e financeiro para estabelecer programas de protecção dos ecossistemas e do ambiente.

"Angola será o terceiro signatário do protocolo contra o tráfico ilícito das espécies da flora e da fauna selvagens", declarou João Lourenço.

Angola e outros estados signatários, avançou, comprometem-se em adoptar legislação adequada que tipifique como crime o tráfico ilícito da vida selvagem e partes de animais selvagens.

Durante a sua intervenção, fez saber, igualmente, que Angola preparou vários eventos internacionais, dos quais se destacam as visitas de campo para os grandes investidores internacionais interessados em investir no país.

Protecção da fauna

Ao assinar esse protocolo, vincou, Angola continuará empenhada no combate aos crimes ilegais contra a vida selvagem, sendo parte da fundação de protecção dos elefantes.

João Lourenço anunciou que o Conselho da fundação fará, ainda este mês, o balanço das acções para a implementação dos instrumentos da salvaguarda da biodiversidade.

Admitiu que a abertura de corredores ecológicos vai permitir aos elefantes circular livremente entre as fronteiras que formam o projecto transnacional.

Considerou importante o desenvolvimento e protecção desses importantes parques naturais afectados nas últimas décadas pelo conflito armado.

A iniciativa, frisou, enquadra-se na criação de um novo ambiente de negócios e no desenvolvimento sustentável em prol das comunidades locais e de todos os angolanos, com emprego garantido.


Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Política