Economia

Analistas antecipam taxas altas de expansão

Angola regista um crescimento médio de 3,1 por cento entre 2021 e 2023, segundo estimativas da unidade de inteligência de revista britânica “The Economist”, EIU, que atribuem essa evolução à expansão dos sectores da Agricultura, Minas, Construção, Indústria Transformadora e Serviços, alavancados pela melhoria da política monetária e o apoio governamental à economia não petrolífera.

08/03/2020  Última atualização 07H51
DR © Fotografia por: Licitação de blocos eleva expectativas de crescimento

Para 2024, fruto dos concursos de exploração petrolífera lançados, a EIU estima que o Produto Interno Bruto (PIB) cresça 5,9 por cento devido ao aumento da produção de petróleo e ao consequente impacto nas finanças públicas e na capacidade do Governo estimular a actividade económica, lê-se no documento citado, ontem, pela Lusa.
Para o ano em curso, a EIU reviu em baixa a previsão de crescimento, antecipando uma recessão de 1,2 por cento devido a queda da produção de petróleo.
No relatório, enviado aos clientes, os peritos da EIU escrevem que “a produção do petróleo, estimada pelo Governo em 1,389 milhões de barris por dia (bpd) em 2019, abaixo do limite estipulado pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo de 1,481 milhões de bpd, continua a cair devido à maturação dos campos e à falta de investimento dos últimos anos”.
Ainda no capítulo das previsões, a EIU estima uma subida da inflação, de 17,4 por cento em 2019 para 21 por cento este ano, motivada “pela fraqueza sustentada do kwanza devido às baixas exportações de petróleo e à baixa disponibilidade de dólares, bem como pela introdução do IVA e a redução dos subsídios à electricidade”.
Em quatro anos, o valor da inflação terá descido para cerca de metade: “A partir de 2021 uma taxa de depreciação mais baixa do kwanza vai levar a uma redução da inflação, apesar da eventual redução de subsídios manter os preços elevados. Por isso, prevemos que a inflação média desça para 10,4 por cento em 2024”, concluem os analistas.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia