Regiões

Aldeões recebem comida e material de construção

A população da comuna de Chiluage, a 195 quilómetros de Saurimo, beneficiou de chapas de zinco, bens e produtos diversos, entregues pelo governador provincial da Lunda-Sul, Daniel Neto, no quadro da sua primeira visita à localidade.

31/07/2019  Última atualização 09H59
DR © Fotografia por: O donativo visa minimizar as dificuldades que a população da região está a enfrentar

Óleo, arroz, feijão, massa alimentar, sabão, fuba de milho, sal, detergentes, utensílios de cozinha, além de três motorizadas para facilitar os trabalhos dos técnicos de saúde, da educação e da administração local, nas suas deslocações às zonas de difícil acesso, constam dos bens e meios entregues pelo governador Daniel Neto. Depois de proceder a entrega dos meios, o governador, que presidiu um acto público no recinto da Administração Comunal, disse que o objectivo é melhorar a dieta alimentar da população e minimizar as dificuldades que enfrenta, por falta de lojas e mercados na comuna, para permitir a aquisição de vários produtos. Daniel Neto garantiu melhorias na circulação rodoviária nos próximos dias, com a reabilitação do troço entre Muliege e a comuna de Chiluage, bem como do centro de saúde, do fornecimento de energia e água, entre outros serviços, no âmbito do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM). O governador pediu o engajamento das autoridades tradicionais e igrejas na sensibilização da população, para ajudar o Governo a resolver, de forma faseada, os problemas e contribuir no desenvolvimento da comuna. Wilson Txijica e Cecília Do-mingas, que vivem na sede comunal há mais de 15 anos, disseram à nossa reportagem que, para a aquisição de produtos, deslocam-se à cidade de Saurimo, pagando cinco mil kwanzas por viagem, o que cria muitos transtornos. As autoridades tradicionais, na sua mensagem, apelam ao Governo no sentido de concluir as obras de impacto social paralisadas há dez anos, bem como a construção de uma escola do primeiro ciclo, hospital de referência, casas para os sobas, técnicos de Saúde e da Educação e distribuição de meios para alavancar a agricultura. O administrador comunal, José da Silva, sublinhou que a comuna conta com uma população estimada em mais de nove mil e 300 habitantes, na sua maioria camponeses, que se dedicam à agricultura familiar. Mandioca, batata-doce, milho, ginguba e hortícolas constam entre os produtos mais cultivados.  José da Silva acrescentou que na comuna de Chiluage existe um grupo gerador, de 10 KVA, que fornece energia a algumas instituições, um sistema de abastecimento de água no bairro Chivundo e cinco avariados nos bairros Tambué, Cabo-Catanda, Muazaza-Sailanda, Dala-Chiluage e na sede comunal. A comuna conta com 48 professores e dez escolas do ensino primário e secundário, com 37 salas de aula, das quais cinco alternativas. No presente ano lectivo foram matriculados mais de 5.400 alunos, estando 1.764 crianças fora do sistema de ensino. As doenças diarreicas e respiratórias agudas, a malária e as Infecções Transmissíveis Sexualmente (ITS) dominam o quadro de patologias na comuna, onde existe um centro de saúde, cinco postos médicos e 13 enfermeiros, carecendo de um laboratório de análises clínicas e um centro de hemoterapia.

Rio Cassai
No ponto fronteiriço com a República Democrática do Congo (RDC), com uma extensão de 282 quilómetros, o governador Daniel Neto, durante a sua visita, constatou o funcionamento dos Serviços da Polícia de Guarda Fronteira (PGF), tendo sido informado do registo de cinco tentativas de entrada de cidadãos da RDC este ano, através da travessia do Rio Cassai. O comandante da subunidade da PGF na comuna de Chiluage, Eugénio Walitoua, disse que no ano passado registaram-se dois casos de afogamento de cidadãos congoleses, que tentavam violar as normas de travessia do Rio Cassai. Da parte da RDC, o seu re-presentante, Tambuleno Massueca, apontou dificuldades de aquisição do passaporte por parte dos cidadãos, o que obriga o uso de documentos provisórios, que custam 8.500 kwanzas, que lhes permite efectuar a travessia.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Regiões