Economia

AKSEL inicia reparação de equipamento no país

Vânia Inácio

Jornalista

A Aker Solutions Enterprises (AKSEL), uma companhia de capitais angolanos e noruegueses, iniciou as operações num laboratório hiperbárico para testes e manutenção de equipamentos subaquáticos para plataformas petrolíferas, onde investiu 25 milhões de dólares em obras de edificação e apetrechamento.

13/11/2021  Última atualização 10H00
Equipamento do laboratório inaugurado pela AKSEL © Fotografia por: DR
O laboratório, inaugurado pelo  ministro de Estado para a Coordenação Económica, Manuel Nunes Júnior, na quarta-feira, está situado  via expresso, entre Viana e Cauaco e pode reduzir o tempo da reparação de equipamentos subaquáticos para duas semanas, abaixo dos períodos que vão de seis a nove meses que as operações ordenadas em Angola levam quando enviadas para o Reino Unido. 

O presidente do Conselho de Administração da AKSEL, Pedro Godinho, declarou, na inauguração, que, com este investimento, a empresa projecta encaixes de cinco a sete milhões de dólares por ano, dependendo do comportamento do mercado. 

O responsável da AKSEL estima que, com a instalação de um projecto desta magnitude,  em Angola, os operadores da indústria petrolífera nacional  vão  poupar dezenas de milhões de dólares em manutenção. 

O equipamento garante a calibragem e manutenção, tendo capacidade para prover reparações a 32 sistemas por mês, beneficiando operadores do mercado angolano e da África Subsaariana,de países como Nigéria, Ghana e Guiné Equatorial, em relações aos quais também é garantida economia de tempo e dinheiro, afirmou o líder da AKSEL.

"A retirada de uma plataforma do fundo do mar tem um custo diário de 200 a 300 mil dólares. Associada a isso, a paragem de produção, a deslocação para reparação elevam ainda mais os custos”, com a laboratório a poder reduzir o impacto destas variáveis.

A AKSEL é constituída por capitais privados da empresa norueguesa Aker Solutions, que detém uma participação de 49 por cento, e a empresa angolana Prodiaman Oil Services, com 51 por cento.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia