Economia

África receia impacto da guerra comercial

O último relatório do Institute of Chartered Accountants in England and Wales (ICAEW), divulgado sexta-feira, declara que a África receia que a tensão comercial entre os Estados Unidos e a China resulte na diminuição dos preços das matérias-primas.

16/06/2019  Última atualização 09H28
DR

No “Economic Insight: África Q2 2019” (relativo ao segundo trimestre), produzido pela organização de contabilistas da Inglaterra e o País de Gales, são disponibilizadas previsões de crescimento para diversas regiões incluindo África Austral, com um crescimento do PIB previsto de 1,8 por cento este ano.
O crescimento desta região é arrastado para baixo pela África do Sul, a economia dominante (responsável por mais de dois terços dos rendimentos regionais), onde a expansão prevista é 0,8 por cento este ano, e por Angola, que de acordo com a ICAEW cresce 1,1 por cento este ano, depois de uma contracção de 2,5 por cento em 2018.
A África Oriental conduz o crescimento no continente depois de, em 2018, ter registado a evolução mais rápida do PIB. A estimativa para essa região é de uma expansão económica média de 6,1 por cento ao longo dos próximos dois anos.
A Africa Media Agency (AMA), que cita o relatório, escreve que a seguir à África Oriental, está a zona do franco CFA, onde o PIB dispara 4,9 por cento em 2019, destacando, nesta região, a diversificação da economia a amparar os preços instáveis do petróleo e das matérias-primas.
O Norte de África apresenta indicadores algo divergentes, com as economias diversificadas do Egipto, Marrocos e a Tunísia, bem como as extremamente dependentes do petróleo e gás da Argélia e a Líbia.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia