Regiões

Advogados recebem cédulas profissionais

Kayila Silvina | Mbanza Kongo

Jornalista

Sete advogados receberam, sábado, em Mbanza Kongo, província do Zaire, as cédulas profissionais que os habilitam a exercer a profissão, depois de um estágio de 18 meses.

07/06/2021  Última atualização 05H00
© Fotografia por: DR
Os profissionais juntam-se aos nove outros existentes na província, perfazendo um total de 16 causídicos com cédulas profissionais localmente.
 O delegado provincial da Ordem dos Advogados de Angola (OAA) no Zaire, José Sebastião Vieira, que orientou o acto de entrega dos referidos documentos pediu aos novos profissionais para trabalharem com responsabilidade, para que os cidadãos sintam que os seus interesses estão a ser defendidos. "Na província do Zaire os advogados são chamados a trabalhar com responsabilidade para cumprirem com as exigências do novo Código de Processo Penal ", sublinhou.

"Há cidadãos que querem fazer valer os seus direitos junto da Justiça e não têm recursos financeiros para tal, daí que a OAA deve aparecer para que estes cidadãos possam beneficiar da isenção das taxas de Justiça”, defendeu.

Para o responsável, o número de advogados na província "ainda é reduzido”. Em face a esta realidade, informou, foram eleitos advogados para os Tribunais de Comarca de Mbanza Kongo e do Soyo, a acção que se estenderá aos demais municípios da província.  "Brevemente vamos trabalhar junto das comunidades para transmitir aos cidadãos o papel dos advogados na sociedade”, adiantou.


 José Vieira revelou que grande parte dos casos delituosos atendidos na delegação da OAA está ligada ao contrabando de combustível, homicídios, violações sexuais e à imigração ilegal. 


Abordados pelo Jornal de Angola, alguns advogados não esconderam a satisfação  pela recepção das cédulas profissionais e garantiram empenharem-se no exercício da actividade para melhor defenderem todos quantos se sentirem injustiçados.
Ernesto  Manuel disse que com a recepção da cédula profissional, não terá mais dificuldades para ter acesso às informações de processos-crime dos seus constituintes.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Regiões