Mundo

Activistas pedem inclusão de pessoas que vivem com deficiência

Activistas pediram a inclusão de pessoas com deficiência, especialmente mulheres, na luta contra a violência baseada em gênero (GBV).

04/12/2022  Última atualização 13H44
A educação é das maiores armas para as pessoas com deficiência enfrentarem o preconceito © Fotografia por: DR

A convocação foi feita, ontem, durante o evento organizado pela Paper Crown Rwanda (PCR), que reuniu activistas, parceiros e pessoas com deficiência.

PCR é uma organização feminista sem fins lucrativos que trabalha com jovens para transformar as normas de gênero, promover a liderança e criar mudanças sociais duradouras.

O evento aconteceu no oitavo dia que comemora os 16 dias de Activismo dedicados ao combate à GBV sob o tema "Unir, construir uma sociedade sem violência”.

Falando ao "The New Times”, Claudine Mukarusine, gerente de projecto de promoção de práticas anti-discriminatórias na União Nacional de Organizações de Deficiência de Rwanda (NUDOR), disse que mulheres com deficiência enfrentam discriminação porque a maioria das pessoas não conhece seus direitos.

"Algumas pessoas na nossa sociedade pensam que engravidar uma mulher com deficiência é fazer um favor a ela, já que não há ninguém para casar com ela”, disse ela.

Mukarusine, disse que programas como saúde e direitos sexuais e reprodutivos, quartos para meninas na escola, devem ser inclusivos para equipar todos com o conhecimento sobre os seus direitos e como obter ajuda caso precisem.

"Perdemos a oportunidade de participar de discussões como mulheres com deficiência por sermos discriminadas em nossas casas, local de trabalho e escola”, disse ela.

Mukarusine avançou que algumas mulheres e homens com problemas de fala ou qualquer outra forma de deficiência enfrentam desafios ao relatar casos de GBV, pois às vezes não conseguem um intérprete de linguagem de sinais.

Ela acrescentou que também há uma lacuna na pesquisa sobre quantas pessoas com deficiência são abusadas.

Gisele Umutoniwase, que trabalha com a Rede de Mulheres do Rwanda em um Programa de Prevenção e Resposta à GBV, disse que um dos desafios que elas enfrentam é chegar às mulheres com deficiência para equipá-las com o conhecimento necessário para se manterem protegidas contra a GBV.

Umutoniwase disse que há necessidade de conscientização sobre os direitos das pessoas com deficiência, acrescentando que elas precisam de recursos que possam ajudar as vítimas a acessar referências, polícia, Isange One Stop Centers, bem como informações.

A gerente de Programa e Parceria do PCR, Clementine Nyirarukundo, disse que, "quando abordamos a GBV contra as mulheres, precisamos lembrar que não somos afectadas da mesma forma, pois as mulheres com deficiência enfrentam dupla discriminação: ser mulher e ter deficiência”.

Nyirarukundo, afirmou que é preciso unir as nossas vozes e ajudá-las a reclamar os seus direitos, uma vez que não têm as mesmas necessidades que as sem deficiência.

"Pedimos à sociedade que dê as mãos às mulheres com deficiência para combater a VBG”, apelou.

GBV continua a ser um dos problemas mais prevalentes e persistentes enfrentados por mulheres e meninas em todo o mundo. Em todo o mundo, 1 em cada 3 mulheres sofre violência física ou sexual ao longo da vida e, para mulheres com deficiência, a situação se agrava.

De acordo com o PCR, as evidências mostram que as mulheres com deficiência são mais propensas a sofrer violência doméstica, abuso emocional e agressão sexual do que aquelas sem deficiência.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo