Sociedade

Acidentes levam por dia mais de 60 pacientes ao Hospital Geral

Alexa Sonhi

Jornalista

Cerca de 60 casos de traumas causados por acidentes de viação, com particular incidência aos ocorridos na via expresso Raul Castro Ruz, são atendidos, em média, todos os dias, no Hospital Geral de Luanda (HGL), revelou o director-geral da instituição.

15/10/2021  Última atualização 09H25
Acidentes contribuem para aumentar estatísticas do Hospital Geral de Luanda, diz director © Fotografia por: Edições Novembro
Bernabé Lemos realçou que, apesar do hospital dispor apenas de três médicos ortopedistas, a maioria desses casos de traumas são resolvidos localmente, incluindo os que exijam cirurgias.

O director-geral do HGL realçou que somente as situações de fracturas muito complexas são enviadas aos hospitais de referência, como o Josina Machel, Américo Boavida e Prenda.

Neste momento, o hospital conta com um total de 65 médicos, 261 enfermeiros, 113 técnicos de diagnóstico de terapeuta, 56 de apoio hospitalar e 439 trabalhadores do regime geral.

Para fazer face aos perto de mil pacientes que acorrem, diariamente, ao hospital, a unidade precisa de 98 médicos efectivos nas diferentes especialidades e mais outros 67 médicos internos.

Além dos casos de acidentes, o HGL, localizado no município do Kilamba Kiaxi, regista entre 50 e 60 casos de malária por dia, considerada uma das principais causas de morbi-mortalidade em crianças e adultos.

Bernabé Lemos salientou que as doenças diarreicas agudas e respiratórias, síndromes febris e a má nutrição são outras enfermidades que levam centenas de pacientes ao hospital.

Quanto à má nutrição aguda, o director-geral referiu que, actualmente, e
stão internadas no HGL 30 crianças, muito por conta do elevado índice de pobreza que as famílias desses menores vivem.

Para permitir a recuperação das crianças desnutridas, Bernabé Lemos sublinhou que a unidade está a melhorar as condições de tratamento, internamentos e a alimentação, o que tem evitado mortes hospitalares, mesmo entre as que cheguem em estado avançado da doença.

"Também conseguimos estabelecer um convénio com o Hospital Divina Providência, onde, de forma regular, transferimos alguns casos graves, por ser uma unidade de referência no tratamento da desnutrição, superada apenas pela Pediatria de Luanda, nesta matéria”, esclareceu o responsável.

Pelo menos, dez dos 900 a mil pessoas atendidas, diariamente, nas consultas externas, bancos de urgência de pediatria, ortopedia, medicina geral e ginecologia obstetrícia, morrem.

Bernabé Lemos esclareceu que a maioria desses doentes que acabam em óbito chegam ao hospital em estado grave, muitos dos quais fazem menos de 24 horas na unidade.

Marca passos
Um grande avanço que a instituição registou, nos últimos tempos, tem a ver com a área da cardiologia, embora estejam limitadas as cirurgias ao coração, por falta de condições. Por isso, essas consultas são realizadas apenas em dois dias da semana.

Apesar dessas dificuldades, Barnabé Lemos avançou que, desde abertura da área de cardiologia, já foram implantados três marca passos, um dispositivo colocado junto ao coração, para ajudar a monitorar e controlar os batimentos cardíacos quando este órgão bate mais lento).
O HGL, com exames de TAC fora de serviço, por falta de manutenção do aparelho, tem uma capacidade para internar 355 camas, mas, em função da grande procura, tem acamados 420 doentes.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Sociedade