Política

Acesso à documentação preocupa os angolanos

O embaixador de Angola na República do Congo Brazzaville, Vicente Muanda, manifestou-se, na segunda-feira última, em Cabinda, preocupado com as dificuldades com que as comunidades angolanas residentes em Ponta Negra e Dolisie enfrentam na obtenção de documentos de identidade angolanos, nomeadamente o registo de nascimento e o Bilhete de Identidade.  

31/01/2019  Última atualização 08H47
DR © Fotografia por: Vicente Muanda pede uma rápida solução do problema

A preocupação foi manifestada pelo diplomata à saída de um encontro com o governador de Cabinda,  Eugénio Laborinho, com quem abordou a situação e possíveis vias de solução.
“As nossas comunidades residentes em Ponta Negra e Dolisie atravessam uma série de dificuldades que passam pela obtenção de documentos de identificação civil como Bilhete de Identidade e de outros documentos que permitem a sua legalização ao nível dos consulados”, sublinhou Vicente Muanda, para quem a sua presença em Cabinda manifesta a preocupação no sentido de se encontrar uma solução para o problema.
Para o embaixador Vicente Muanda, o caminho mais rápido para a solução  das dificuldades  passa pela articulação entre os consulados de Angola nas regiões de Ponta Negra e Kouilo, Nhari e Dolisie e as autoridades governamentais da província de Cabinda e estas com o Executivo central.
O diplomata angolano disse acreditar que a boa cooperação existente entre o Governo da Província de Cabinda e as autoridades de Ponta Negra, Kouilo, Nhari e Dolisie vai facilitar o processo de obtenção de documentos pelas comunidades angolanas residentes no Congo-Brazzaville.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Política