Economia

Accionistas elegem novos gestores na TAAG

Os accionistas da Transportadora Aérea de Angola (TAAG) elegeram, ontem, em Luanda, o novo Conselho de Administração não Executivo e a Comissão Executiva, que passa a assumir a gestão diária da companhia, confirmando o início de um novo ciclo no modelo de governação em-presarial, que transformou a Empresa Pública em Sociedade Anónima.

21/10/2021  Última atualização 07H25
Novo modelo de governo empresarial quer tornar a empresa cada vez mais competitiva © Fotografia por: DR
A Assembleia Geral Universal de Accionistas indicou Ana Francisca da Silva Major, para presidente do Conselho de Administração - Não Executiva; Rui Paulo Pinto de Andrade Teles Carreira, administrador Não Executivo, enquanto que Eduardo Fairen Soria é administrador Executivo e presidente da Comissão Executiva (PCE).

Integram ainda a Comissão Executiva da TAAG, Custódia Gabriela Pereira Bastos; Lisa Mota Pinto; Steve Taverney Azevedo e Adelaide Isabel de Sousa Godinho, todos administradores executivos.

De acordo com um comunicado divulgado pela companhia de bandeira, estas mudanças ocorrem depois de, ontem mesmo, o Presidente da República e Titular do Poder Executivo, João Lourenço, ter exonerado o Conselho de Administração da TAAG, SA que havia sido no-meado pelos Decretos Presidenciais 276/18 e 44/19 de 26 de Novembro 31 de Janeiro.

"Com mais de 83 anos de história, a TAAG é uma das conquistas de Angola como Companhia de Bandeira, representando a história passada, presente e para qual se pretende trabalhar para um futuro brilhante", lê-se no documento.

Segundo o mesmo documento, a pandemia gerou, num curto espaço de tempo, uma crise económica mundial sem precedentes, mas, em simultâneo, lançou desafios organizacionais, que afectaram a produtividade das equipas e dos processos, tendo acelerado a necessidade de reestruturações profundas no sector. Tal cenário, explicam, criou também novas oportunidades de conectividade na região, que vão ao encontro da estratégia de desenvolver uma plataforma de conectividade (Hub and Spoke) a partir da Cidade de Luanda, para o continente e para o mundo.

Na nota, a TAAG diz que o ano de 2021 ficará marcado pela decisão de apostar-se na contratação de uma equipa de gestão composta por quadros internacionais e nacionais especializados, num contexto muito desafiante de recuperação gradual da actividade da aviação civil a nível mundial.

"O processo de recrutamento foi conduzido de forma rigorosa e profissional, em coordenação com o Ministério das Finanças, tendo sido seleccionada uma empresa de caça-talentos (Head Hunter) internacional para identificar os candidatos com o perfil e experiência apropriados, que cumprissem os requisitos e competências necessários (Fit and Proper), associados a quadros nacio-nais que se destacam pelo seu conhecimento técnico e da realidade local", avançam.

Para a TAAG, trata-se de uma decisão reflectida e ponderada que pretendeu atrair competências técnicas diferenciadoras, experiência comprovada em processos de recuperação e reestruturação de companhias aéreas, uma liderança motivada pelo desafio que a transportadora aérea apresenta e, sobretudo, promover uma nova cultura.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia