Opinião

A voz meiga & a declaração provocadora

Naquele dia belo, como se fosse hoje, acedi ao terraço da casa-lar que habita em mim. Puxei uma cadeira, aspirei fundo, pus ar nas botijas de dentro (pulmões), decidi colocar as coisas em pratos higiénicos... dialoguei de tu para tu com um tal José Luandino Vieira por via do umbral João Vêncio: os seus amores.

26/09/2021  Última atualização 10H33
Estimado leitor,  só um ponto de desordem, retomo já o assunto que me leva à serigrafia estas pequenas impressões neste espaço onde me elevo por via da inquirição.
Prometo ser brevíssimo, qual tempo de antena de políticos em véspera de humor e romance eleitoral, os livros são umbrais, portas giratórias que nos permitem aceder a um interior que a priori apresenta-se-nos vazio, sem forma alguma.
Contudo, cada vez mais que acedemos a eles, apresentam-se-nos como sítios de culto sagrado, lugares reservados para segredos, desde os mais banais, inquietantes até aos mais macabros.


Reitero, que cada vez mais que adentramos neles, estes depositários ou receptáculos de mistérios, suspenses, inquietações e insólitos fazem-se-nos à superfície.

Um livro é na verdade um médium, há almas vivas e mortas nele, há toda uma memória a lutar a todo gás para não ser vítima cáustica da teoria arbitrária do esquecimento.

E, só por via de médiuns conseguimos dialogar, pisar as nossas patas num mundo mágico, animista, que não conseguimos ver com os nossos limitados olhos. Não temos acuidade visual suficiente o bastante para enxergarmos o invisível, o metafísico.

Como ia des-dizendo, naquele dia em que perguntava abertamente ao Luandino porquê que o João Vêncio era hegemónico, chamava para si o anti-heroísmo de deter tantos amores, amores passados, amores presentes, amores futuros, uma Voz Meiga irrompera, não só deu o ar da sua graça, como também roubará o protagonismo ao galã João Vêncio.
Interrompi por uns instantes o meu interlocutor e seu João Vêncio, um arquétipo "literário” de Don Juan à angolana, doei sem contemplações a minha atenção à Voz Meiga, mal abri o éden da boca para perguntar o que queria, o meu novo interlocutor, sem dar-me jeito para olhar para o retrovisor e fazer os devidos descontos para manobras, jogou-me bem no centro do rosto a seguinte declaração provocadora:
- Papá tenho muito medo de pessoa.

- Fiquei sem jeito, mas retorqui com um "Porquê então?”.

- Fez-se um silêncio tumular... sabia que o silêncio era dos mais falantes que um dia já conheci, mas preferia que a Voz Meiga me dissesse qualquer coisa, que adentrasse mais fundo na sua declaração provocadora, que me revelasse os motivos, mas até aos dias-águas que transcorrem não diz nada. Fechou-se numa copa de reticências.

Pese embora a voz da curiosidade cante de galo nos meus ouvidos, não desesperei, até hoje guardo comigo uma mística fé, com a paciência de um monge espero por respostas da Voz Meiga.


De um tempo a esta parte, como quem espera em demasia, estava mais que óbvio que me cansaria, não consegui passar no baptismo de fogo, a minha fé deixou-se abalar.


Foi quando me dirigi ao reduto da montanha sem Maomé. Como a montanha sofre de défice de atenção crónica tive que ir ao encontro dela, subi às suas cavalitas, afaguei-a,  enquanto a consolava, pus-me a pensar na declaração, revelação bombástica da Voz Meiga.


- " Papá tenho muito medo de pessoa” – ecoava dentro de mim como coro de uma canção que conheço de cor e salteado.
O que é que a Voz Meiga, queria dizer com aquilo?


– Será que viu coisas proibidas, violentas na caixa onde se cozinham magias? – monologuei comigo mesmo.
- Apesar do martírio que me assolava por não encontrar respostas, estava ciente que  eu  e a minha companheira de uma vida, tínhamos activado o famoso controlo parental. Estávamos seguros disso, a Voz Meiga não tinha como "pular a cerca”, ver coisas que não lhe correspondiam à idade.


Será que estava a viver o mesmo martírio da maravilhosa Alice, mas de forma invertida? Nunca gostei de sensações déjà-vu, são para mim uma farsa, puro truque de ilusionismo.
Existe algo mais ilusionista que a memória?


Para mim perguntas são caminhos, nos levam sempre para alguma margem ou para alguma travessia, por isso quis em nome dos custos todos saber a resposta, a motivação por trás daquela forte declaração. Mas a Voz Meiga não mugia nem tugia.


Petrificou-se diante do meu questionário naquele dia belo em que João Vêncio desfilava e gabava-se da sua mestria de Don Juan.


"Para quem não encontra respostas que procura, qualquer resposta serve” – de jeito nenhum, nem que diabo torna-se o tecelão-mor eu poderia aceitar ter o mesmo destino da maravilhosa Alice.


Tentei persuadir, mudar de táctica para insinuar a Voz Meiga a revelar a declaração enigmática, mas não tive sucesso. Estava na iminência de colecionar pares de frustrações.

Disse-lhe nas entrelinhas que o animal homem, este que tem menos patas que os outros vertebrados seres, é de uma ferocidade de fazer os céus colapsar.

Segue cada vez mais cruel, em vez de buscar apenas pelo que realmente importa, cria cabalas para anular o outro, encontra-se ao praticar sadismo.


Anular o outro é um abismo e o abismo volta e revolta-se sempre contra nós.
Este outro anulado, estatelado num chão inglório, a mendigar chuvisco de dignidade, é também ele. Só que não tem olhos naturais de ver. Principalmente para quem se vê no pico da montanha sem Maomé.

Já me sentia a preencher os vagares cabíveis da vergonha, deixei-me estar, convenci-me que um dia a Voz Meiga abrirá diante de mim a sua mala com a resposta possível.


De nada mais valia perguntar ou pressionar. Há coisas que demandam paciência e paciência demanda tempo.
Naquele dia belo já não mais voltei a dialogar com a fascinante narrativa de José Luandino Vieira, empreendi o resto do tempo a descontrair-me com a Voz Meiga.

Era apenas eu e ele (um dos meus amores), mas também já começo a desenvolver a doença dele: medo de pessoas.

Pedro Kamorroto 

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Opinião