Opinião

A visão estratégica do “Só-sou-eu-sei”

Adriano de Melo

Jornalista

Mal começara o processo de sondagem para suprir a vacatura na chefia do Departamento de Contraminação da Kinzunzumbia, já a enfarruscada inquietação tinha se apoderado de Só-sou-eu-sei, roubando-lhe a paz e destruindo aquilo que restava de bom em seu carácter; visto que, obsessivo e indisfarçavelmente perturbado, passou a nutrir a vaidosa convicção de que inevitavelmente seria nomeado, legitimado e aclamado por todo o universo como chefe invicto - o tão almejado, iluminado e jamais igualado.

06/06/2021  Última atualização 05H25
Com tal ideia já arraigada nas profundezas do coração, nenhum outro cenário lhe passava pela cabeça; uma vez que, centrado e enclausurado no próprio umbigo, sua mente confortavelmente obstinada acomodou-se com a projecção da glorificação pela via da nomeação e ascensão qual maioral na organização.
Na verdade, houvesse sol ou chuva... seu lema era tudo fazer para ascender. Para esse desiderato, os meios não importariam e nem sequer seriam poupados... Custasse o que custasse e doesse a quem doesse.

Com essa filosofia doentia entranhada lá no recôndito da alma, não permitiria que humano algum interferisse na sua ambição - sua razão unigênita de ver e viver, na medida em que inculcara na mente que a concretização da sua ascensão daria lugar a uma predestinação divinamente celestial.
Assim, nas calmas Só-sou-eu-sei foi cimentando a convicção de que, sem o exercício da chefia, nada era e nada seria... Para si, o apego à vida estava indissociavelmente ligado à realização do tal desígnio divino; que, aliás, já movimentava tanto o compasso dos seus passos.

Mergulhado nessa cosmovisão, passou a desconfiar de tudo e de todos... De tal sorte que, até do cheiro dos seus próprios bufos (secretos) começou a desconfiar veementemente. Sim!... todos juntos e misturados foram convertidos automaticamente em adversários e potenciais ameaças à nomeação que rápido se aproximava.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Opinião