Opinião

A economia azul em África

A economia azul é um importante pilar do desenvolvimento e transformação de África. O continente partilha uma costa com mais de 47.000 quilómetros e o seu transporte marítimo continua a crescer em termos de volume de mercadorias transportadas, uma vez que é a principal rota comercial do continente.

03/12/2022  Última atualização 05H40

Mais do que nunca, tornou-se relevante para o continente africano olhar para os seus mares e oceanos e águas interiores não só para a segurança alimentar, mas também como um caminho de conectividade, inovação, comércio e soluções baseadas na natureza para os vários desafios que o mundo planeta está a enfrentar.

Ao mesmo tempo, nossos oceanos, mares e águas estão em perigo, pois as actividades humanas continuam a exercer pressão sobre eles ao ponto de ruptura. A mudança climática está a levar a mares mais quentes e ácidos, com impactos devastadores em ecossistemas e espécies altamente sensíveis, incluindo recifes de corais e estoques de peixes. A poluição, incluindo a poluição por plásticos, escoamentos agrícolas e industriais provenientes de fontes terrestres, está a sufocar os nossos ecossistemas aquáticos e abrir caminho para os nossos sistemas alimentares. A sobrepesca e a superexploração dos nossos recursos significam que estamos a destruir a base da economia azul antes mesmo de entendermos, explorarmos e mapearmos totalmente os recursos que temos. Ao mesmo tempo, temos um problema endémico de estruturas de governança fracas, acesso deficiente a dados. Acredito que as mulheres africanas são fundamentais para nossos esforços de desenvolver uma economia azul que seja sustentável.  

Os choques triplos da pandemia de Covid-19, crise económica e insegurança alimentar, especialmente como resultado do conflito Ucrânia-Rússia, afectaram as mulheres mais do que a maioria. Levará 267 anos, de acordo com o Fórum Económico Mundial, para fechar a lacuna económica de género, que inclui acesso a oportunidades económicas, financiamento, igualdade de remuneração e plenos direitos legais. Isso significa que não veremos paridade económica total nas nossas vidas. Nem as nossas filhas ou netas. É um quadro muito sombrio, mas também significa que, se quisermos melhorar a vida das mulheres nas gerações presentes e futuras, devemos fazê-lo por todos os meios possíveis, e devemos fazê-lo agora.

A economia azul representa um caminho para as mulheres acessarem mais oportunidades. A participação das mulheres certamente catalisará a economia azul.

No sector pesqueiro, as mulheres desempenham um papel importante nos aspectos pós-colheita da cadeia de valor dos frutos do mar, incluindo processamento, comercialização e venda de frutos do mar. Muitas vezes, essa contribuição passa despercebida por ser feita em escala de subsistência, na economia informal, ou é desvalorizada. Não temos um quadro completo da contribuição das mulheres, e as mulheres continuam excluídas dos níveis mais altos de tomada de decisão em torno da pesca. A natureza complexa dos acordos de pesca, processamento e comércio agrava esta situação. Já se estima que, embora o sector pesqueiro em África esteja avaliado em 24 mil milhões de dólares, a maior parte dessa receita não vai, de facto, para as partes interessadas africanas, muito menos para as mulheres africanas.

No sector de ciência e tecnologia, que é a espinha dorsal da economia azul, a representação feminina também permanece baixa. Devido a questões de segurança ou normas sociais que desencorajam as mulheres de considerar uma carreira no mar ou no sector marítimo, o continente está a perder a contribuição que as mulheres poderiam estar a dar para o benefício do continente. 

Como agrónoma por formação, tenho visto repetidas vezes como a contribuição das mulheres no sector agrícola tem resultados positivos e um efeito multiplicador na segurança alimentar, inovação social e geração de renda. Estima-se que cada 1 dólar investido em mulheres na agricultura rende dividendos de até 31 dólares, até porque as mulheres são mais propensas a reinvestir nas comunidades e famílias do que os homens. As mulheres também são os principais agentes na garantia da segurança alimentar e na construção de sistemas alimentares sustentáveis. É lógico que o argumento económico para investir em mulheres na economia azul é igualmente convincente.

Melhorar a participação e a representação das mulheres na economia azul não é apenas um imperativo moral há muito esperado; é também económico.

Como tal, espero que durante os próximos dois dias nos envolvamos, desenvolvamos uma rede de apoio às mulheres na economia azul em África e identifiquemos formas concretas de garantir que mais mulheres participem na construção da economia azul, em todos os níveis, e são adequadamente recompensadas ​​por isso.

 


 Josefa Sacko |*

* Comissária da UA responsável pela Agricultura, Desenvolvimento Rural, Economia Azul e Ambiente Sustentável   

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Opinião