Economia

200 toneladas de trigo apodrecem no campo

Perto de 200 dos 230 hectares de uma plantação de trigo do Chinguar, Bié, com o equivalente a 200 toneladas, deterioram-se na última campanha agrícola por falta de máquinas para a colheita, noticiou a Angop.

26/11/2019  Última atualização 09H47
Angop © Fotografia por: Vista do local em que a plantação de trigo se deteriorou

O proprietário, Alféu Vinevala, declarou que, depois de ter sido “incentivado” por responsáveis institucionais a produzir o cereal, fê-lo em 230 hectares, mas por falta de máquinas apenas foram colhidos 30 hectares (duas toneladas por HA) de forma manual por 50 pessoas em três meses, com o restante a estragar-se no campo.
Afirmou ter contactado detentores de máquinas que não citou, mas não aceitaram cedê-las, apesar de prontificar-se a pagar. “O produto, semeado em Fevereiro, devia ser retirado do campo até Setembro último, o que não aconteceu. Ultrapassado esse período, estragou por causa das chuvas”, esclareceu o agricultor.
A agência nota que, na semana passada, um administrador das Grandes Moagens de Angola declarou à imprensa, em Luanda, ter contactado um grande produtor de trigo do Chinguar para a compra, “mas o produtor não consegue, sequer, dar o preço, porque não sabe como colher o cereal”.
O director do Gabinete Provincial da Agricultura do Bié, Marcolino Sandema, disse que o referido fazendeiro foi aconselhado pelo ex-ministro do sector, Marcos Nhunga, a “não efectuar a produção do trigo, tendo em conta os riscos que o mesmo iria atravessar na sua transformação e comercialização”.
Igualmente, salientou, o Gabinete Provincial não dispõe de recursos para aquisição do equipamento de colheita, visto que o país atravessa dificuldades financeiras, acrescentando que aqueles serviços limitam a actuação ao apoio técnico sobre como desenvolver e aumentar a produção agrícola.
O agricultor, notou Marcolino Sandemba, beneficiou de crédito bancário que lhe possibilitava comprar equipamento de colheita de trigo.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia